Hey, Yuuko!
TCG

Conheça Amonkhet, o novo plano de Magic: The Gathering

Plano inspirado no Egito Antigo tem deuses, mistérios e lore em português!

Dia 28 de abril a Wizards lançará oficialmente a nova coleção de Magic: The Gathering, Amonkhet. O nome da coleção remete ao plano ao qual As Sentinelas se dirigiram para enfrentar Nicol Bolas. O plano é inspirado no Egito Antigo e seus mitos, então prepare-se para deuses, múmias e muita areia nos olhos!

A Wizards publica (quase todas) as quartas-feiras, capítulos de sua lore em seu site oficial. A grande novidade para a comunidade brasileira é que os capítulos da lore de Amonkhet serão os primeiros a serem traduzidos em português! Além disso, o que tudo indica, a Wizards irá “retro-traduzir” a lore a partir de Batalha por Zendikar, ou seja, desde a formação d’As Sentinelas!

Orientados por Liliana o grupo As Sentinelas transplanaram para Amonkhet, onde segundo a necromante seria um plano criado por Nicol Bolas para servi-lo. Ao chegar lá o grupo têm de lidar com um deserto que parece interminável. É interessante notar como cada Planeswalker lida com o deserto. Nissa parece ser a mais afetada, pois o ambiente sem vida do lugar parece sugar suas energias. Jace reclama da areia em seu traje enquanto busca traços de mana pelo ambiente. O soldado Gideon não fica a vontade, mas foca em arrumar algum abrigo para lidar com a situação. Chandra parece ser a menos afetada, afinal nem mesmo calor de dois sóis ou qualquer ambiente inóspito lhe traria qualquer desafio.

O grupo discute em um plano de ataque a Nicol Bolas, mas é claro que ia acontecer um leve imprevisto, não é? Liliana também tinha ficado enfraquecida com o deserto, mas quando um horda de zumbis ataca o grupo ela parece ser a única a aproveitar a batalha. Afinal, onde quer exista vida, necessariamente tem de existir a morte, e a morte é um “prato cheio” para uma necromante. Saltando um pouco na trama e sem dar muito spoiler, o grupo lida com os zumbis, com vormes e com vormes-zumbis. Sim, aconteceu bastante coisa.

O grupo nota um monumento que faz referência as chifres de Bolas, afinal alguém com ego suficiente para criar um mundo para si, um monumento como aquele nem seria surpresa. Chegando mais próximo eles se deparam com uma cidade no meio do deserto protegida por uma barreira mágica. Dentro da barreira o ambiente era totalmente diferente do lado de fora, era um clima úmido, agradável como se estivem em um primavera.

Dentro da cidade os Planeswalkers se deparam com uma série de surpresas, a primeira é simplesmente uma deusa, Oketra. A deusa, em sua gigante forma antropo-zoomórfica com corpo de mulher e cabeça de gato, exala a benevolência e pureza do mana de cor branca. Isso deixa Gideon muito abalado, que antes abandonara a devoção aos deuses de Theros. Gideon dentro de si entra em conflito, afinal como Nicol Bolas seria capaz de criar algo tão puro como Oketra?

Amonkhet não tem apenas a peculiaridade dos deuses. Nota-se um grande número de servos mumificados, mas não como os zumbis fora da barreira, estes são puros e obedientes. Grande parte da população local é bem jovem, se vê poucas pessoas acima dos trinta anos. Todas elas parecem estar treinando incessantemente para cumprir o que eles chamam de as “provas dos deuses” antes do retorno do Deus-Faraó.

Gostou desse aperitivo da lore de Amonkhet, então leia-os na íntegra aqui:
Impacto
Confiança
Escrito na parede
Servos

 

Isaque Faverani

Isaque Faverani é um alquimista do plano de Ravnica. O seu cérebro é um turbilhão de ideias e informações, devido a sua mana de cor azul incontrolável. Por isso, ele mergulha irracionalmente em diversos conteúdos da cultura pop. Apesar de seus problemas com sua concentração, ultimamente está focado em games, animes, séries e quadrinhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *