Hey, Yuuko!
overwatch

Doomfist – História e Cultura

Conheça mais sobre seu país, sua cultura e o que influência no personagem

Doomfist – História e Cultura

Originalmente de Oyo, Nigéria, Akande Ogundimu nasceu em uma família nigeriana de boa reputação e herdou sua companhia de tecnologia de prostéticos. Uma figura carismática e altamente inteligente, Ogundimu ajudou a expandir os negócios da família, os colocando rumo ao futuro, enquanto dedicava seu tempo livre a sua primeira paixão, as artes marciais. Ele treinou em estilos de luta africanos, incluindo Dambe e Gidigbo, assim como luta livre e outros sistemas de combate modernos, incorporando as técnicas mais eficientes em seu repertório. Ogundimu competiu em torneios por todo o continente, utilizando habilidade e intuição para ler os oponentes com sua grande velocidade e força. Antes de prolongar mais a história dele dentro da Talon, vamos conhecer um pouco sobre a cultura e seu povo, além de seu país?

 

Conhecendo a Nigéria

Falar de cultura da Nigéria é falar de uma diversidade incrível por todo o país, que tem mais de 521 diferentes línguas e culturas, sendo que os quatro maiores são as HausaFulani que são predominantes no norte do país, os Igbo que são predominantes no sudeste, os Iorubas que são predominantes no sudoeste do Benim e tribos que são predominantes no oeste,  sendo que 80 por cento dos Beninenses tendem a ser cristãos, enquanto os restantes 20% adoram ídolos, chamados Orixás.

“Iorubalândia”

Iorubalândia é uma região africana que compreende parte da Nigéria e do Benin, antigo Daomé, habitada pelo povo iorubá. Geograficamente, faz parte de um planalto com elevação de 366 metros limitado a norte e a leste pelo rio Níger, que batiza o nome do país. Grande parte da Iorubalândia é densamente arborizada; no entanto, a parte norte, incluindo Oyo, encontra-se na savana ao norte. A porção nigeriana da Iorubalândia compreende os estados de Ọyọ, Ọsun, Ogun, Ondo, Ekiti e Lagos, bem como partes de Kogi e Kwara. Daí podemos ver onde se encontra o local em que Doomfist se originou e todas as referências ligadas ao seu nome e seus costumes, assim como Efi e Orisa.

Ao longo das margens do rio Osun sinuoso, escondido por uma densa floresta no sul da Nigéria, há um bosque sagrado. Considerado como o último de seu tipo, o Bosque Sagrado de Osun-Osogbo é um remanescente do costume amplamente difundido de estabelecer bosques sagrados fora de todos os assentamentos yorubás. O bosque fora da cidade de Osogbo, considerado o lar da deusa do rio Osun, a deusa Ioruba da fertilidade, é um santuário cheio de esculturas, santuários e outras obras de arte que honram Osun e outras divindades. O rio para os yorubás, possui o poder de cura, proteção e fertilidade; Acredita-se que Osun usou um peixe como mensageiro de bênçãos, paz e favor. Tornando-se um símbolo de identidade para todas as pessoas yorubás, o Grove é um Património Mundial da UNESCO, um dos únicos na Nigéria.

Para assistir um vídeo sobre a cultura da Nigéria, clique aqui.

O povo iorubá é uma coleção divesificada de pessoas ligadas por uma linguagem , história e cultura comuns em oposição a um único grupo étnico. Cerca de 21% da população total da Nigéria é composta pelo grupo etno linguístico iorubá. É uma tradição para o povo honrar seus deuses e antepassados ​​através de meios artísticos, como cerâmica, trabalho em metal, têxteis, escultura em madeira e máscara. Mais de 401 deuses são conhecidos pelos povos iorubanos e, devido a esse vasto número e suas representações artísticas, foram feitas comparações entre os iorques e os antigos gregos. Tradicionalmente, a comunidade ioruba foi dividida em 16 reinos, formando a Iorubalândia.

O nome de Doomfist

Em sua língua, Akande significa aquele que vem ou chega em plena determinação e seu sobrenome Ogundimu, não consegui uma definição boa, porém é nítida sua ligação com Ogum pelo fato de que as famílias possuem o costume de colocar nomes ligados a quem cultuam, e ele é  o orixá da guerra, da coragem, o protetor dos templos, das casas, dos caminhos. Ogum precede os outros orixás, vindo logo após Exú, e recebe também parte dos sacrifícios dos outros orixás pois foi quem que forjou o obé (faca usada nos rituais para oferendas de sacrifícios). Dentro da cultura iorubá era um guerreiro que brigava sem cessar contra os reinos vizinhos. Dessas expedições, ele trazia sempre um rico espólio e numerosos escravos. Podemos ver tamanha semelhança nas influências e significados do nome do mais novo personagem de Overwatch.

Após a perda do braço

Quando perdeu seu braço como resultado da Crise Ômnica, pareceu ser o fim de sua carreira nas artes marciais, antes mesmo de atingir seu potencial. A prótese cibernética de sua companhia permitiu que ele se recuperasse de seus ferimentos, o tornando ainda mais forte, mas essas melhorias o impediram de competir. Ele tentou se devotar aos negócios com o mesmo zelo que tinha pela luta, mas não encontrou nada para preencher o vazio… até que ele recebeu uma nova oportunidade de Akinjide Adeyemi, mais conhecido como o segundo Doomfist, o Flagelo de Numbani.

Adeyemi ofereceu a Ogundimu a chance de lutar com ele como mercenário. Após a cautela inicial, Ogundimu aceitou e descobriu que ele agora tinha uma arena na qual podia liberar sua nova e melhorada potencialidade. Por fim, Adeyemi o levou para a Talon. A crença da Talon de que a humanidade seria fortalecida pelo conflito reverberou com as experiências pessoais de Ogundimu. Mas além disso, os conflitos de poder da Talon criaram um novo desafio que permitiu que ele usasse seu talento na sala de reuniões da mesma forma que usava sua astúcia em combate.

Adeyemi era um recurso muito útil à Talon, mas a organização via muito mais potencial em Ogundimu, com sua inteligência e habilidade de ser um comandante inspirador. Enquanto Adeyemi se sentia satisfeito com os lucros das pilhagens em Numbani, Ogundimu tinha uma visão muito maior. Essa diferença de ambição levaria Ogundimu a matar seu mestre e tomar o manto de Doomfist, junto com a manopla homônima.

Como o novo Doomfist, Ogundimu subiu bastante na Talon e ajudou a orquestrar um conflito que a organização esperava que algum dia tomaria o mundo. Porém, antes de seu plano ser concluído, Ogundimu foi derrotado e capturado pela equipe de ataque tático da Overwatch, composta por Tracer, Winston e Genji. Ele foi aprisionado em uma instituição de segurança máxima por anos, onde esperou pacientemente o acontecimento dos eventos que tinha incitado.

Finalmente, ele sentiu que o tempo havia chegado para seu retorno. Ele fugiu de sua prisão e recuperou a manopla de Doomfist depois de uma batalha unilateral com a nova defesa de Numbani formada por robôs OR15. Agora, ele retomou seu posto no conselho interno da Talon e está pronto para começar uma guerra que mais uma vez consumirá o planeta.

Akande e a Overwatch

Os planos do Doomfist chegaram a um obstáculo quando em Numbani , onde foi confrontado com uma equipe de ataque de Overwatch composta por Winston , Tracer e Genji . A batalha resultante transformou parte da cidade em uma zona de guerra. Doomfist conseguiu incapacitar tanto o Tracer como o Genji, enquanto bloqueava seus projéteis com sua luva e um escudo que cercava seu corpo. Winston no entanto, o combateu de perto em uma batalha de força em uma batalha que Doomfist perdeu.  Após sua derrota, ele foi preso em uma instalação de segurança máxima gerenciada pela Helix Security International há anos, Onde ele esperava pacientemente os eventos que esperava acontecer.  Enquanto estava preso, Doomfist manteve-se atualizado sobre os acontecimentos do mundo fora de sua cela, coletando cortes de jornal sobre sua derrota nas mãos de Winston, o possível retorno de Overwatch após a sua dissolução, a abertura de uma exibição de Doomfist exibindo sua luva, além do assassinato de Tekhartha Mondatta .

Seu retorno

Nas primeiras horas da manhã, uma aeronave Talon entrou na instalação de segurança Helix que realizava o Doomfist, ignorando seus sistemas de defesa sem incidentes. Reaper surgiu e entrou na instalação, matando mais de uma dúzia de guardas no processo de libertação de Ogundimu. Acredita-se que outras violações de segurança tenham ocorrido dentro das instalações, embora os funcionários da Helix não tenham confirmado se outros prisioneiros ou itens foram retirados. Helix perdeu os rastros de Ogundimu após sua fuga. 

Algum tempo depois de ganhar liberdade, Doomfist viajou para Numbani para recuperar sua luva, que estava sendo transportada para o Museu do Patrimônio da cidade para uma exibição de Doomfist como parte de sua celebração do que seria chamado Dia da Unidade. Confrontado por uma equipe de robôs de defesa OR15 recentemente introduzidos , o Doomfist os derrotou facilmente no Terminal Adawe Internacional do aeroporto de Numbani, recuperando sua luva  e seu assento no conselho interno de Talon  pronto para levar Vingança à organização Overwatch que o aprisionou há anos.

Yuuko Kitsune

Yuuko Kitsune é uma elfa paladina viciada em comida japonesa. Amante de diversas culturas antigas e entusiasta da cultura pop, em especial a oriental. Dentre Quadrinhos, Livros e Desenhos, é uma bem chata em suas escolhas pessoais no que envolve jogos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *